The best bookmaker bet365

Дървен материал от www.emsien3.com

Número de universitários na Bahia cresce acima da média nacional

Em: 18 Setembro 2019 | Fonte: Correio da Bahia

EAD é um dos responsáveis por aumento; diretor executivo da Abmes comenta cenário

Em um cenário de crise econômica e desemprego, os baianos estão buscando garantir o canudo e se especializar para encontrar a sua vaga ou crescer dentro do mercado de trabalho. O que mostra isso são os dados da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), que apontam um crescimento de 3,9% por ano, na média entre 2010 e 2017 (ano do último levantamento), no número de estudantes nas faculdades e universidades baianas - acima da média nacional, de 3,8%.

“Este estado é privilegiado, formado por pessoas que se preocupam com sua formação, apesar das adversidades”, conta Sólon Caldas, diretor executivo da Abmes.

E o que anda puxando para cima o número de universitários baianos são as instituições de ensino à distância (EAD), que viram seus alunos crescerem 17% no Brasil, com impacto similar na Bahia. E a tendência é que este crescimento continue nos próximos anos.

De acordo com um estudo da Abmes, em 2023 a maioria dos estudantes de ensino superior estarão matriculados em cursos desta modalidade. “É uma realidade mundial e no Brasil não poderia ser diferente”, conta Sólon, que também falou de como as universidades particulares estão enfrentando as diminuições nos financiamentos estudantis do governo federal, dicas para a hora de você escolher o seu curso e também sobre o alto número de mulheres matriculadas no ensino superior, ocupando 61% das vagas na Bahia. Confira o bate-papo.

Esse número de matrículas está refletindo 2017, que é o último censo da educação superior que temos. De todo modo, o crescimento na Bahia está acima da média nacional. O Brasil foi 3,8% e no estado 3,9% e a gente pode perceber que a Bahia é privilegiada, com pessoas que se preocupam com sua formação, apesar das crises econômicas, desemprego e a falta de financiamento estudantil.

Desde 2015, o programa de financiamento público vem passando por mudanças. E sempre que muda acaba dificultando o acesso dos estudantes ao ensino superior, tanto na Bahia quanto no geral. E o governo, por sua parte, ao invés de criar um incentivo para o acesso às faculdades e universidades, fazem uma política para dificultar. Como resultado disso, se cria um monte de alunos que precisam estudar de um lado e de outro muitas faculdades com vagas abertas, esperando para ser preenchidas.

Esse crescimento é uma média entre 2010 a 2017. Este aumento é puxado sobretudo pela educação à distância, que e um perfil diferente de alunos, geralmente alguém com mais de 30 anos que já está no mercado de trabalho e em um determinado momento da carreira precisa desta educação superior para obter uma melhora no próprio trabalho. Em 2017, o EAD cresceu 17% e o presencial caiu 0,4% no Brasil, com o mesmo reflexo na Bahia.

O custo desta modalidade acaba sendo menor por conta da escala. Então as instituições de ensino conseguem oferecer um preço mais acessível e sem piorar a qualidade. É importante ressaltar que tanto o EAD quanto o presencial precisam seguir as metas do MEC e a própria avaliação do ministério diz que, em algumas áreas, o curso à distância tem notas melhores. E o EAD é uma realidade mundial. A ABMES fez um estudo que mostrou que em 2023 o número de estudantes nesta modalidade será maior que na presencial.

Isso é um contexto conjuntural. Nós temos quase 13 milhões de desempregados no país. Então, o aluno precisa se qualificar para melhorar sua empregabilidade. E essa situação de crise é momentânea. Daqui a pouco saímos deste período turbulento e os trabalhadores qualificados terão mais condições de manter a sua empregabilidade. E um profissional de ensino superior tem um ganho salarial de 180% em relação a quem não tem a mesma formação. Então, quando aparecer a oportunidade, para encontrar um trabalho será mais fácil.

O curso de medicina é atípico. É uma profissão diferente. Quando um médico conclui a graduação, ele não precisa da oferta de emprego porque pode atuar por si só. E a falta de de profissionais desta área no Brasil é muito grande, ainda mais nos locais mais afastados. Entretanto, os demais cursos se submetem ao mercado, a oferta e procura. O estudante quando escolher a sua graduação tem que levar em consideração, além de suas aptidões, qual área te dará uma melhor e maior empregabilidade.

Isso segue a média nacional. No Brasil, 60% dos estudantes são mulheres. Eu imagino que seja a ascensão feminina. A sua procura de trabalho que faz com que elas procurem estes cursos superiores.

logo abmes logo abrafi logo anaceu logo anup logo fenep logo fenep logo semesp

 

 
 

Online bookmaker Romenia betwin365.webs.com